ZERO HORA: Decisões um tanto indigestas

A presença de pelos de ratos, areia, resquícios de vidro em alimentos, além de tabelas nutricionais manipuladas são temas de uma matéria interessante da ZERO HORA de hoje. O acessó à informação está cada vez mais próximo de nós e é preciso estarmos atentos.

Confira o texto:

Decisões um tanto indigestas
SÉRIE DE NOTÍCIAS e incidentes leva a dúvidas sobre regras para o setor alimentício no país

ZH 01102014

Farto em conteúdo indigesto, o noticiário dos últimos dias sobressaltou os consumidores. Surgiram fragmentos de pelo de roedor e vidro em lotes de extrato de tomate e suspiro e um levantamento indicou a presença de gordura trans em produtos que alegam estar livres da substância. Além disso, fabricantes de cerveja usam o limite máximo permitido de cereais não maltados na composição da bebida, em substituição a itens mais nobres (e caros), o que leva ao questionamento: as regras do setor, no Brasil, são flexíveis demais, permitindo que o bolso e a saúde dos clientes sejam prejudicados?

Resolução publicada em março pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) relaciona os limites tolerados para matérias estranhas em alimentos e bebidas. Farinha, café, geleias, chá e chocolate, entre outros, podem apresentar pedaços de corpos indesejáveis (como certos insetos, areia e pelos de rato) sem se tornar uma ameaça. O órgão afirma que a resolução, elaborada a partir de padrões adotados em outros países, foi criada para aumentar a qualidade das linhas de produção nacionais.

– Até então, não havia uma regulamentação e, por isso, as decisões ficavam a critério dos laboratórios, que muitas vezes eram das próprias indústrias. São limites que não trazem risco à população, e são até mais restritivos do que em outros locais – explica Claudia Darbelly Cavalieri de Moraes, coordenadora de Regulamentação de Alimentos da Anvisa.

Carla Piovesan, nutricionista e professora da graduação em Nutrição da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), explica o que costuma ocorrer com biscoitos, torradas, sorvetes e bolos prontos. A tabela nutricional informa os valores de pequenas porções do conteúdo total do pacote, prática que permite, por exemplo, que as frações de gramas de gordura trans de três bolachas sejam próximas de zero. Como é o fabricante que define o tamanho da porção a ter os componentes detalhados, é fácil parecer mais saudável – recebe o selo de zero trans o produto que contém até 0,2 grama da gordura por porção. Um exemplo: um pacote de salgadinho discrimina os valores nutricionais do equivalente a meia xícara do produto, e não do pacote inteiro. Em um punhado tão diminuto, é claro que os índices maléficos serão mínimos.

– As porções foram diminuindo para mascarar a quantidade desses ingredientes. A população não se liga, isso não é amplamente disseminado. Se a marca A está dizendo que é livre de gordura trans, o consumidor entende que a marca A é livre de gordura trans. A Anvisa dá margem para que a indústria acoberte algumas informações – comenta Carla.

ANVISA ESTUDA MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO
A Anvisa alega estar estudando mudanças para atualizar a regulamentação da rotulagem, mas ainda não há uma previsão de data para concluir o trabalho.

Quanto à cerveja, as peculiaridades do mercado brasileiro dividem consumidores e especialistas. A norma permite que, em lugar de cereais maltados (cevada, trigo), o fabricante utilize até 45% de cereais não maltados, como milho e arroz, menos nobres e mais baratos. A indústria se justifica dizendo que a composição satisfaz os apreciadores locais da bebida, afeitos a algo mais leve e refrescante, adequado ao clima tropical. Para Carlo Bressiani, diretor da Escola Superior de Cerveja e Malte, de Blumenau (SC), é fundamental que o consumidor saiba o que está comprando – os rótulos das garrafas hoje não exibem essas especificações.

– O fato de as cervejarias utilizarem cereais não maltados não é um problema. Na Europa, a cevada é mais barata do que o milho, por isso se utiliza mais cevada. A nossa cerveja de massa não é feita para degustar, com características de sabor e aroma marcantes. É para refrescar. O consumidor estaria disposto a pagar mais para beber uma cerveja só com cereais maltados? – questiona Bressiani.

Acessa a matéria aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s